À planície elevada às margens do Rio Tapajós, 160 metros acima do nível do mar e coberta por densa floresta, Ford chamou “Bela Terra”, a Belterra que se notabilizou como “a cidade americana no coração da Amazônia”.

“Conforme o livro Macunaíma, de Mário de Andrade, as índias icamiabas, mulheres guerreiras que habitavam o baixo Amazonas, ofertavam o muiraquitã aos índios da tribo mais próxima, os guacaris, depois do acasalamento, na Festa de Iaci, divindade-mãe do muiraquitã. A mística do presente oferecido aos índios visava a encorajar a fidelidade a elas e para que, ao exibirem-no, fossem respeitados, pois presentear um índio com um muiraquitã representava o ato sexual consumado entre uma Icamiaba e um índio. As icamiabas compunham uma sociedade rigorosamente matriarcal e se dessa união nascessem filhos masculinos, estes seriam sacrificados, deixando sobreviver somente os de sexo feminino.” (fonte: pt.wikipedia.org/ data: 20/09/2010)
No dia seguinte parti para a cidade de Belterra, por uma estrada de terra a pouco mais de 30km de Alter do chão, uma das cidades berço da era da borracha, localizada em “… uma planície elevada às margens do Rio Tapajós, coberta por densa floresta. A essa área a companhia Ford chamou de ‘Bela Terra’, que depois passou a ser chamada de ‘Belterra’. A partir daí, o projeto começava a se tornar realidade, e Belterra ficou conhecida como “a cidade americana no coração da Amazônia”.” (fonte: pt.wikipedia.org/ data: 20/09/2010)
A cidade é literalmente uma viagem em uma cultura completamente diferente do Brasil, muito charmosa e cheia de história – de fato parece uma viagem em um antigo filme americano, com as ruas de pedra, casas de madeira e a típica varanda frontal, e até hidrantes na calçada existe. Quem me guiou na cidade foi Mônica e a criançada do Telecentro, o passeio não poderia ser em outro veículo, fomos todos de bicicleta pela cidade, pedalando, brincando, contando histórias e aprendendo uns com os outros.
No dia seguinte tive que retornar para Alter do chão e depois para Santarém, e infelizmente não consegui chegar até a flona do Tapajós para conhecer as gigantes sumaúmas, uma árvore de tronco largo e que pode chegar até 70 metros de altura, a maior ou uma das maiores da nossa flora, esse é um passeio que definitivamente deve-se fazer.  De volta a Santarém fico mais uns dias e depois sigo para Manaus, novamente de Barco – esses dias foram de muito aprendizado sobre a natureza, história do Brasil e o ciclo da borracha e seus os impactos humanos.

Comentários

Postagens mais visitadas